Publicações ARTIGOS
 
Relações públicas, marketing, propaganda, jornalismo

Professor Fábio França

A polêmica é antiga, mas controvérsia é controvérsia, só pode ser esclarecida se de ambas as partes houver argumentação fundamentada e boa vontade para o entendimento. No caso em questão, parece que as emoções antecedem a razão ou que cada um demarcou um território aleatoriamente e quer defendê-lo custe o que custar. Se não, vejamos.

Cada uma das atividades citadas no título da matéria tem seu próprio campo de ação.

Relações públicas trabalha no campo dos relacionamentos estratégicos com públicos específicos, do estabelecimento de políticas desse relacionamento e das ações para mantê-los.

Marketing trabalha com o mercado, as relações entre produtores e consumidores. Para Kotler, é a “atividade humana dirigida para a satisfação das necessidades e desejos, através dos processos de troca”. “Marketing é conhecer e entender tão bem o cliente que o produto ou serviço se torne adequado a ele e ele se venda por si mesmo”, é a opinião de outro guru, Peter Ducker.

A propaganda é uma comunicação persuasiva, segundo Carlos Rabaça. Conjunto das técnicas e atividades de informação e de persuasão, destinadas a influenciar as opiniões, os sentimentos e as atitudes do público em determinado sentido.

O jornalismo trabalha a informação, a notícia. Apura os fatos, analisa-os e processa-os com a finalidade de divulgá-los rapidamente.
Aplicação

Como dissemos, as atividades citadas são diversas entre si, mas onde está a controvérsia? Na teoria e na prática, pois há confusão no campo teórico quando se confunde uma atividade com outra e maior barulho no terreno da mídia, que é o campo comum de todos. Com efeito, marketing funciona por meio da propaganda, que usa os veículos de comunicação para persuadir. O jornalismo só existe enquanto representa a própria força dos veículos noticiosos. E Relações Públicas? Seu foco são os relacionamentos com os mais diferentes públicos da organização, portanto não é marketing, nem propaganda, nem jornalismo, embora utilize a comunicação como seu principal instrumento de ação na relação com os públicos.

O diferencial de relações públicas é que sua ação é pensada e planejada de modo estratégico. Estabelece a linha de princípios que rege, de modo permanente, os relacionamentos e a comunicação das empresas com seus públicos de interesse. Não é sazonal como a determinação de preços de produtos, as promoções de vendas e as campanhas publicitárias, nem perecível como a notícia, que, uma vez divulgada, deixa de ter interesse para os leitores.
Convenhamos, se tiver de escolher, opte por relações públicas, a única categoria capaz de tratar de modo estratégico os públicos, de trabalhar todos os dias a favor das organizações e de seus negócios.

Canal RP